Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘relógio’


Quem já assistiu ao filme A invenção de Hugo Cabret deve lembrar que o personagem principal tem um talento especial para restaurar e consertar engenhocas sofisticadas e, graças a isso, mantêm em perfeito funcionamento os relógios da estação ferroviária de Paris. Atualmente, vivemos rodeados por computadores e smartphones e os mais jovens nem sabem que dar corda no relógio é a ação de pressionar uma mola para que ela acumule energia e mantenha o mecanismo em operação. Com tanta hora disponível, muitos devem achar desnecessário manter relógios públicos em perfeito funcionamento. Mesmo assim, quando olhamos para o relógio da catedral ou de algum prédio histórico esperamos encontrar a hora correta exibida nele. Poucos levam em conta as dificuldades para manter o tic tac daquele relógio, talvez centenário, e construído com tecnologia perdida no tempo.

Há algum tempo atrás uma reportagem da RPC (Rede Paranaense de Comunicação) chamou minha atenção para a situação precária dos relógios públicos de Curitiba. Segundo o repórter poucos funcionavam bem e turistas atentos podiam perceber essa impontualidade. Passada a Copa do Mundo resolvi conferir pessoalmente se os relógios curitibanos estão batendo bem. Meu objetivo era verificar se ganhamos relógios pontuais como legado da Copa 2014. Fiz uma caminhada pelo centro da cidade e fotografei dez relógios bem conhecidos pelos curitibanos. Seis marcavam a hora certa, salvo pequenas diferenças com a hora do meu celular. Outros quatro estavam fora de combate. Confira pelas fotos.

Batendo bem

Catedral Metropolitana

Catedral Metropolitana

Relógio das flores

Relógio das flores

Relógio da Praça Osório

Relógio da Praça Osório

Relógio do Paço Municipal

Relógio do Paço Municipal

Relógio da Rua 24 horas

Relógio da Rua 24 horas

Relógio da Igreja de Bom Jesus

Relógio da Igreja de Bom Jesus

Fora de combate

Relógio da Igreja da Ordem

Relógio da Igreja da Ordem

Relógio da Secretaria de Cultura

Relógio da Secretaria de Cultura

Relógio digital da Rua das Flores

Relógio digital da Rua das Flores

Relógio da Santa Casa

Relógio da Santa Casa

Diante dos problemas mais urgentes da nossa realidade social parece devaneio ficar checando a hora de relógios velhos, entretanto essas máquinas de contar o tempo estragadas têm algo a nos dizer. O pouco zelo dos curitibanos com seus relógios públicos contrasta com a pontualidade europeia. No velho continente relógio público com defeito é exceção; lá a regra é marcar a hora certa. Tudo bem que eles inventaram os relógios e ganham muito dinheiro com turismo, mas penso que esses relógios contam histórias e além de marcar a hora também indicam a preocupação de uma cidade com seu patrimônio cultural e histórico.

Anúncios

Read Full Post »


10 milênios, 100 séculos ou 10.000 anos. Esta é a vida útil prevista para o relógio em desenvolvimento pela The Long Now Foundation, chefiada por William Daniel Hillis. Qual a finalidade de um relógio que deve se manter preciso e em perfeito funcionamento por tanto tempo? Pense com calma e tente responder antes de continuar a ler este post.

Tic

Tac

Tic

Tac

Tic

Tac

Tic

Tac

Tic

Tac

Provavelmente, você continua lendo sem ter parado um instante sequer para refletir sobre essa questão de cunho filosófico. Realmente, trata-se de uma reflexão totalmente estranha à nossa realidade calcada na busca por resultados imediatos. O relógio do longo agora ficará guardado no interior de uma montanha no estado de Nevada, EUA. Para chegar até ele será preciso descer por um túnel de150 mde profundidade. Além de marcar o tempo, esse aparelho incrível fornecerá informações sobre estações do ano e fases da lua aos habitantes do futuro que resolvam visitá-lo. É um relógio de carrilhão que tocará música e seu mecanismo permite combinações que geram mais de 3 milhões de melodias, quantidade suficiente para atravessar os séculos sem repetir uma única vez a musica. Uma das características mais marcantes do relógio é a sua capacidade de auto ajuste que lhe permitirá se manter preciso durante 10 milênios. Para tanto, seu projeto leva em consideração os movimentos da terra e contará com uma lente apontada para o sol para garantir sua calibragem e sintonia com os movimentos celestes. Quem tem gosto pela História Antiga sabe que as tumbas egípcias, concebidas para atravessar os séculos, foram profanadas por causa do alto valor de seu conteúdo. O relógio de 10.000 será construído com materiais resistentes, mas sem valor significativo para não despertar a cobiça de saqueadores do futuro. Além disso, seu mecanismo ficará integralmente visível para que possa ser entendido sem precisar de desmontagem. O fato de ele ficar abrigado em uma montanha o protege contra vários riscos. Como você deve ter percebido, o projeto leva em conta variáveis que vão além da tecnologia.

Estamos acostumados a pensar no curto prazo. Vivemos em uma sociedade imediatista e, por isso, o projeto do relógio de 100 séculos exerce fascínio nas pessoas capazes de olhar as coisas considerando outros paradigmas. Dez mil anos é o tempo que durou até agora a aventura humana na Terra desde que surgiram as primeiras civilizações. Será que daqui dez mil anos ainda haverá homens no planeta para conferir o sucesso do projeto? Uma coisa é certa, poucos artefatos criados pelo homem duraram tanto tempo e, se duraram, não foi em funcionamento preciso e ininterrupto. A montanha onde será instalado o relógio fica em um parque americano que abriga sequoias milenares, algumas delas com cerca de cinco mil anos. São os seres vivos mais longevos do planeta. Sem dúvida, uma ótima companhia para o relógio dos 10.000 anos. O projeto The Long Now Clock foi concebido em 1986 e já produziu um protótipo do relógio em exposição no Museu de Ciências de Londres. Ainda não há previsão para o início oficial da contagem de 10.000 anos, mas afinal, quem está com pressa?

Read Full Post »


Esta semana estive no Templo do Consumo (shopping center) e como sempre faço, parei na vitrine da joalheria para observar os relógios masculinos. Belos artefatos de marcas famosas de primeira linha em exposição: Breitling, Longines, Omega, Rolex, Tag Heuer. Design sofisticado, precisão impecável, maravilhas da mecânica e da eletrônica, enfim.  Tudo perfeito, não fossem dois detalhes. Um deles é o preço que fica em média na faixa de R$ 10.000,00, mas que pode disparar para muito além disso. O segundo detalhe é a pergunta: quem precisa de relógio de pulso?

Eu já tive vários relógios de pulso, bons mas de marcas mais modestas que podem ser comprados com um zero a menos na nota fiscal. O último deles parou de funcionar faz alguns meses e, sinceramente, vai continuar parado porque não vou mais atrás de reparos e pilhas. Posso ver a hora no computador, no celular e até no microondas. Os relógios de pulso cumpriram sua função e agora se reúnem a outros artefatos maravilhosos e obsoletos como canetas tinteiro e máquinas de escrever.

Lá no Templo do Consumo a vitrine estava cheia de relógios de alto padrão. Calculei que estavam expostos mais de R$ 500.000,00 em mercadoria. Sinal que os relógios estão vendendo como nunca e que a minha teoria sobre o obsoletismo deles é furada. Quem desembolsa R$ 10.000,00 por um relógio de luxo não está atrás apenas do belo design e da mecânica fina. Da mesma forma, ainda se vende canetas tinteiro por preços estratosféricos que serão usadas de vez em quando para assinar contratos importantes. Relógios de pulso têm uma sobrevida garantida por conta de valores como tradição, status e elegância. São misteriosas as relações entre utilidade e valor.

Read Full Post »